Pesquisar este blog

sábado, 27 de novembro de 2010

Anonimato na internet

O blogue Orlândia do Futuro recebeu, ontem, um comentário anônimo. O jornalismo sério, porém, desconsidera as opiniões anônimas, salvo quando se preserva segurança da fonte. Fala sobre isso o jornalista Alberto Dines, em artigo no Observatório da Imprensa, em que concede uma aula sobre o uso inapropriado do anonimato na imprensa, tomando como exemplo o Washington Post e a Época

"Fontes secretas são em geral fontes escusas. Mantê-las longe do conhecimento público é defender os seus interesses. Os políticos têm obrigação de explorar o episódio como quiserem. De preferência até as suas últimas conseqüências, de modo a evitar que apenas uma parte do escândalo seja conhecida. Mas cabe aos jornalistas zelar pela lisura de seus procedimentos profissionais para que a busca da verdade seja estendida a todos, e não apenas aos grupos dos espertos denunciantes.

"A pretexto de preservação de suas fontes não podem os jornalistas tornarem-se cúmplices dos interessados em manipular o episódio com fins claramente ilícitos. O jornalismo passivo, aquele que se contenta em receber denúncias e divulgá-las, é insuficiente. O ´furo´ não é um fim, mas um meio. Para completar-se precisa ser transformado em ação, no caso, punição. Imperioso saber quem forneceu as informações para conhecer a quem aproveitam e quem delas se beneficia."

Outro grande jornalista, Ricardo Kotscho, escreveu, no ano passado, sobre o anonimato na internet. "O grande problema que vejo nesta história toda, desde que comecei a escrever na internet, em 2005, é a praga do anonimato que se espalha por todos os espaços da web." 

E acrescenta: "Agridem com a maior leviandade a hora alheia, levantam falsas acusações, ofendem outros leitores e, quando seus comentários não são publicados, saem gritando: ´Censura! Estou sendo censurado!´"

Fui "aluno" do melhor jornalista a atuar em Orlândia, Sérgio Sordi, proprietário e editor da "Folha de Orlândia" - na qual tive a honra e a sorte de trabalhar, tendo lá tomado gosto pelo jornalismo. Uma de suas lições era justamente não utilizar o "anônimo" como fonte, lição que coloquei em prática em todos os veículos de comunicação em que trabalhei.


Esclarece-se que o comentário postado aqui não agride ninguém nem faz acusações, limitando-se a defender uma idéia partidária, que nunca foi levantada por este blogue. 

Eis, novamente, o objetivo de Orlândia do Futuro: informar e contribuir para o debate sério sobre os rumos da cidade, sem paixões políticas, mas sim com projetos e ideias exequíveis para seu desenvolvimento. Aos que quiserem contribuir, a sociedade agradece.

Nenhum comentário:

Postar um comentário